não, não tem problema, pode tirar o sapato.

(senta aí. tem coca na geladeira e cuca de quechimia no forno)

quinta-feira, 12 de maio de 2011

eu vou vivendo, vivendo e vivendo e as coisas vão ficando cada vez mais bizarras e transtornantes e amalucadas

sentei ao lado de um senhor (não muito senhor. tipo um jovem senhor) no ônibus. quando entrei ele falava ao telefone. bem bravo. bem sabichão. ao desligar, virou pra mim e disparou:
- guria, tu acredita que era meu cunhado tentando me convencer a deixar minha mulher aceitar uma proposta de emprego... bem capaz que eu vou permitir. mulher minha não trabalha pra fora. mulher minha trabalha pra mim...
*
*
meu almoço, ingerido alguns minutos antes do ocorrido, por deus nosso senhor, voltou todinho até a garganta(?!).

5 comentários:

Raiza disse...

É por isso que só ando com fone de ouvido.

chaverdecomlimao disse...

é esse nosso estado evoluído das coisas... que quer ser um país... e onde, logo, logo, o macharedo vai começar a mandar a mulherada andar de burca! é só virar país... escute só!

Thaís Gouvêa disse...

Existem mais desses do que vc possa imaginar.
Conheço um casal em q o homem não deixa a esposa se dirigir o GARÇOM!
Eu não entendo...Mas alguém entende!?

Guga disse...

Eu entendo.
Preta minha também não se dirige ao garçom, pq eu cago nas calça dela se apaixonar por outro. Pronto, falei.
E tipows, por mim ela também não saía de casa pra trabalhar. Mas tanto sai que daqui a pouco eu vou poder me aposentar e viver as custas dela. Ah se vou! Ô bicha danada!

ditavonclaire disse...

valéria véia é ninja...